Vila Madalena -Vídeo do Estadão e texto de Cassio Calazans (Vila Madalena)

Atualizado: 28 de Set de 2018


VILA MADALENA NOS TRAZ MUITAS SAUDADES ... Século XIX, a Vila Madalena era o Sítio do Buraco do fazendeiro da região e de suas três filhas: Ida, Beatriz e Madalena, cada uma batizou uma região do sitio que mais tarde se tornariam vilas de São Paulo. (Dizem que um pedaço da Vila Madalena pertencia a Luís Santos Dummont, irmão de Santos Dummont.) Século XX surge a Vila dos Farrapos, produtores rurais, pessoas de baixa renda, aqui só andava a cavalo ou a pé, pois as ruas eram de terra, mas já surgiam os campinhos de futebol e botecos, aqui virou o Risca Faca em virtude das brigas. Em 1928 a Light trouxe o Bonde, a Vila loteada e imigrantes portugueses foram se estabelecendo por aqui e dá-se início ao desenvolvimento na década de 40, em 1949 surge a SAVIMA Sociedade Amigos de Vila Madalena, em seguida a criação da Paróquia no bairro, comandada desde 1951 pelo padre Olavo Pezzotti. O pároco impulsionou o bairro com projetos sociais e a construção da Igreja Santa Maria Madalena e São Miguel Arcanjo. Onde hoje é o Fórum de Vila Madalena era o campo de futebol do time 7 de setembro, depois os campinhos foram para onde hoje são prédios do BNH. A diversão dos moradores e amigos eram nos finais de semana com os três campos de futebol, onde a atração eram os times do Leão do Morro, 7 de setembro e 1º de Maio. Já caracterizado como um bairro de classe média e com desenvolvimento considerável, o bairro só perdeu sua tranquilidade quando foi “invadido” por estudantes da USP (Universidade de São Paulo), na década de 70. O Empanadas e o Bartolo, por exemplo, eram bares de estudantes universitários e secundaristas. Bailinhos todos os finais de semana na casa de algum morador, vitrola a toda força, grupos de dançarinos e namoros atiçados por músicas maravilhosas da época. O pagode começou no Bar do Burú, na rua Purpurina com Girassol. Lembro que íamos jogar futebol e voltávamos diretamente para o Bar, onde faziam um pagode de primeira. Tocavam por lá, Fundo de Quintal, Dona Ivone Lara, Reynaldo o príncipe do pagode, Digê e tantos outros ... A Vila foi se reestruturando, atendendo às necessidades dos estudantes de comercio, lojas e, claro, bares. Morar e frequentar a Vila era fazer parte de uma agitação cultural e intelectual. Dos anos 90 em diante, a Vila sofreu grandes transformações tanto nos moradores quanto nos frequentadores. Chega o boom imobiliário. Hoje o bairro é formado pela classe média e alta, lutamos para que não se transforme numa selva de pedra. A cultura, a arte, o comércio e a moradia fazem parte desse pedacinho de São Paulo. Achar o equilíbrio entre tudo isso é fundamental. Cassio Calazans de Freitas

Música: Felicidade, do Marcelo Jeneci

#savima #madale #vilamadalena

24 visualizações

Tenho algo a dizer da Vila Madalena...

Se você tem um pensamento, um poema, uma frase, qualquer

coisa que seja uma declaração de amor (ou quase), uma história fora do comum, um fato marcante referente à Vila Madalena, mande. Se estiver dentro do espírito de contribuir com a evolução das pessoas e da linha da revista, a gente publica. 

Desenvolvido por The Ideah Publicidade